Generalidades

Generalidades

As características e a eficácia dos aterramentos devem satisfazer às prescrições de segurança das pessoas e funcionais da instalação. O valor da resistência de aterramento deve satisfazer às condições de proteção e de funcionamento da instalação elétrica.

Qualquer que seja sua finalidade (proteção ou funcional) o aterramento deve ser único em cada local da instalação.

NOTA:

Para casos específicos de acordo com as prescrições da instalação, podem ser usados separadamente, desde que sejam tomadas as devidas precauções.

A seleção e instalação dos componentes dos aterramentos devem ser tais que:

a) o valor da resistência de aterramento obtida não se modifique consideravelmente ao longo do tempo;

b) resistam às solicitações térmicas, termomecânicas e eletromecânicas;

c) sejam adequadamente robustos ou possuam proteção mecânica apropriada para fazer face às condições de influências externas.

Devem ser tomadas precauções para impedir danos aos eletrodos e a outras partes metálicas por efeitos de eletrólise.

O eletrodo de aterramento preferencial numa edificação é o constituído pelas armaduras de aço embutidas no concreto das fundações das edificações.

NOTAS

1- A experiência tem demonstrado que as armaduras de aço das estacas, dos blocos de fundação e das vigas baldrames, interligadas nas condições correntes de execução, constituem um eletrodo de aterramento de excelentes características elétricas.

2- As armaduras de aço das fundações, juntamente com as demais armaduras do concreto da edificação, podem constituir, nas condições prescritas pela NBR 5419, o sistema de proteção contra descargas atmosféricas (aterramento e gaiola de Faraday, completado por um sistema captor).

3- Em geral os elementos em concreto protendido não devem integrar o sistema de proteção contra descargas atmosféricas.

No caso de fundações em alvenaria, o eletrodo de aterramento pode ser constituído por uma fita de aço ou barra de aço de construção, imersa no concreto das fundações, formando um anel em todo o perímetro da estrutura. A fita deve ter, no mínimo, 100 mm2 de seção e 3 mm de espessura e deve ser disposta na posição vertical. A barra deve ter o mínimo 95 mm2 de seção. A barra ou a fita deve ser envolvida por uma camada de concreto com espessura mínima de 5 cm.

Quando o aterramento pelas fundações não for praticável, podem ser utilizados os eletrodos de aterramento convencionais, indicados na tabela 1, observando-se que:

a) o tipo e a profundidade de instalação dos eletrodos de aterramento devem ser tais que as mudanças nas condições do solo (por exemplo, secagem) não aumentem a resistência do aterramento dos eletrodos acima do valor exigido;

b) o projeto do aterramento deve considerar o possível aumento da resistência de aterramento dos eletrodos devido à corrosão.

NOTA

1- Preferencialmente o eletrodo de aterramento deve constituir um anel circundando o perímetro da edificação.

2- A eficiência de qualquer eletrodo de aterramento depende das condições locais do solo; devem ser selecionados um ou mais eletrodos adequados às condições do solo e ao valor da resistência de aterramento exigida pelo esquema de aterramento adotado. O valor da resistência de aterramento do eletrodo de aterramento pode ser calculado ou medido (ver 7.3.6.2).

Tabela 1 - Eletrodos de aterramento convencionais

 

Tipo de eletrodo

Dimensões mínimas

Observações

Tubo de aço zincado

2,40 m de comprimento e diâmetro nominal de 25 mm

Enterramento totalmente vertical

Perfil de aço zincado

Cantoneira de (20mmx20mmx3mm) com 2,40 m de comprimento

Enterramento totalmente vertical

Haste de aço zincado

Diâmetro de 15 mm com 2,00 ou 2,40 m de comprimento

Enterramento totalmente vertical

Haste de aço revestida de cobre

Diâmetro de 15 mm com 2,00 ou 2,40 m de comprimento

Enterramento totalmente vertical

Haste de cobre

Diâmetro de 15 mm com 2,00 ou 2,40 m de comprimento

Enterramento totalmente vertical

Fita de cobre

25 mm² de seção, 2 mm de espessura e 10 m de comprimento

Profundidade mínima de 0,60 m. Largura na posição vertical

Fita de aço galvanizado

100 mm² de seção, 3 mm de espessura e 10 m de comprimento

Profundidade mínima de 0,60 m. Largura na posição vertical

Cabo de cobre

25 mm² de seção e 10 m de comprimento

Profundidade mínima de 0,60 m. Posição horizontal

Cabo de aço zincado

95 mm² de seção e 10 m de comprimento

Profundidade mínima de 0,60 m. Posição horizontal

Cabo de aço cobreado

50 mm² de seção e 10 m de comprimento

Profundidade mínima de 0,60 m. Posição horizontal

Não devem ser usados como eletrodo de aterramento canalizações metálicas de fornecimento de água e outros serviços, o que não exclui a ligação equipotencial de que trata .

Os condutores de aterramento devem atender às prescrições gerais.

Quando o condutor de aterramento estiver enterrado no solo, sua seção mínima deve estar de acordo com a tabela 2

Tabela 2 - Seções mínimas convencionais de condutores de aterramento

 

Protegido mecanicamente

Não protegido mecanicamente

 

Protegido contra corrosão

 

 

De acordo com 6.4.3.1

Cobre: 16 mm²

 

Aço: 16 mm²

 

Não protegido contra corrosão

 

Cobre: 16 mm² (solos ácidos)

25 mm² (solos alcalinos)

Aço: 50 mm²

Quando o eletrodo de aterramento estiver embutido nas fundações a ligação ao eletrodo deve ser realizada diretamente, por solda elétrica, à armadura do concreto mais próxima, com seção não inferior a 50 mm2, preferencialmente com diâmetro não inferior a 12 mm, ou ao ponto mais próximo do anel (fitas ou barra) embutido nas fundações. Em ambos os casos, deve ser utilizado um condutor de aço com diâmetro mínimo de 12 mm, ou uma fita de aço de 25 mm x 4 mm. Com o condutor de aço citado, acessível fora do concreto, a ligação à barra ou condutor de cobre para utilização, deve ser feita por solda exotérmica ou por processo equivalente do ponto de vista elétrico e da corrosão.

Em alternativa podem usar-se acessórios específicos de aperto mecânico para derivar o condutor de tomada de terra diretamente da armadura do concreto, ou da barra de aço embutida nas fundações, ou ainda do condutor de aço derivado para o exterior do concreto.

NOTA - O condutor de aço derivando para exterior do concreto deve ser adequadamente protegida contra corrosão.

Na execução da ligação de um condutor de aterramento a um eletrodo de aterramento deve-se garantir a continuidade elétrica e a integridade do conjunto.

Em qualquer instalação deve ser previsto um terminal ou barra de aterramento principal e os seguintes condutores devem ser a ele ligados:

a) condutor de aterramento;

b) condutores de proteção principais;

c) condutores de equipotencialidade principais;

d) condutor neutro, se disponível;

e) barramento de equipotencialidade funcional (ver 6.4.8.5), se necessário;

f) condutores de equipotencialidade ligados a eletrodos de aterramento de outros sistemas (por exemplo, SPDA).

NOTAS

1 - O terminal de aterramento principal realiza a ligação equipotencial principal .

2 - Nas instalações alimentadas diretamente por rede de distribuição pública em baixa tensão, que utilizem o esquema TN, o condutor neutro deve ser ligado ao terminal ou barra de aterramento principal, diretamente ou através de terminal ou barramento de aterramento local;

3 - Nas instalações alimentadas diretamente por rede de distribuição pública em baixa tensão, que utilizem o esquema TT, devem ser previstos dois terminais ou barras de aterramento separados, ligados a eletrodos de aterramento eletricamente independentes, quando possível, um para o aterramento do condutor neutro e o outro constituindo o terminal de aterramento principal propriamente dito.

4 - Os condutores de equipotencialidade destinados à ligação de eletrodos de aterramento de SPDA devem ser dimensionados segundo a NBR 5419.

Quando forem utilizados eletrodos de aterramento convencionais, deve ser previsto, em local acessível, um dispositivo para desligar o condutor de aterramento. Tal dispositivo deve ser combinado ao terminal ou barra de aterramento principal, de modo a permitir a medição da resistência de aterramento do eletrodo, ser somente desmontável com o auxílio de ferramenta, ser mecanicamente resistente e garantir a continuidade elétrica.